A importância do brincar para o desenvolvimento

A importância do brincar para o desenvolvimento

É hora de brincar!

Hoje em dia temos vidas muito ocupadas, atarefadas, com muitos compromissos. Horários de trabalho que se prolongam, stress. As actividades extra curriculares dos nossos filhos que tornam uma agenda bastante ocupada e, acima de tudo muitas preocupações para gerir. Neste artigo vamos falar sobre A importância do brincar para o desenvolvimento.

A vida é realmente agitada e muitas vezes o tempo para nós próprios já é tão pouco que dar tempo a brincadeiras com os nossos filhos pode ser a última prioridade. 

A importância do brincar para o desenvolvimento

Mais do que muito tempo a brincar, os nossos pequenos precisam de tempo de qualidade com os pais. Onde o brincar é o único objectivo. São momentos únicos da relação e constroem elos muito fortes. 

Alguns autores descrevem o brincar como um momento de diversão que vai permitir à criança, primeiramente, explorar o espaço envolvente, e consequentemente idealizar e concretizar uma brincadeira.

A espontaneidade e o grau de atenção são estimulados. Estas questões tão importantes e cruciais para o desenvolvimento global serão desenvolvidas naturalmente, sem que o adulto tenha que obrigar ou contrariar este processo, por outras palavras, permitirá que a criança seja genuína.

No entanto, é de extrema importância que todas as condições se reúnam para que a criança possa desenvolver estas competências e isso sim é da nossa responsabilidade. É também responsabilidade nossa proporcionar aos nossos filhos atividades estruturadas e não estruturas sendo que ambas requerem a nossa presença e/ou orientação. 

Vamos então explorar estes dois tipos de brincadeiras:

  • Brincadeiras não estruturadas: A criança pode criar/iniciar um jogo do seu interesse que lhe permita estar envolvida usando livremente o espaço, os materiais e as estruturas disponíveis. Alguns exemplos de actividades não estruturadas são brincadeiras em parques infantis, na natureza e o faz de conta (brincar às bonecas, fazer teatros, etc).
  • Brincadeiras estruturadas: O adulto define as regras, guiando assim a criança. As actividades estruturadas são por exemplo: os jogos de tabuleiro, puzzles, outros jogos lúdicos, actividades desportivas de classe ou equipa como ballet, futebol.

Nenhuma das brincadeiras é mais importante que a outra, por outras palavras, durante os momentos que reserva para brincar com a criança, tente ser criativo e dar lugar à espontaneidade. Pois, ambos os tipos de brincadeiras são essenciais para um desenvolvimento equilibrado.

Brincar faz bem em todas as idades e quando nos deixamos levar ficamos leves e felizes. Brincar é…“A linguagem de todas as linguagens”!

“Brincar serve para aprender! Serve para conhecer! Serve para experimentar! Serve para pôr problemas e para os resolver. Serve para ligar corpo, cabeça e alma num só gesto. Serve para pôr afecto, movimento e paixão onde só existia razão.”

Eduardo Sá